sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Tempo Bifurcado

Elizabeth Magill

Só com a noite
maníaco voraz vislumbro
amor
dormindo por entre o espinho
por entre as mãos secretas

4 comentários:

sp disse...

Agradeço a visita e digo que gostei deste sítio poético e suave.

Abraço*

xatoo disse...

lembro-me perfeitamente (nunca mais consegui comer um bocado que seja de perca) da cena da jovem a cantar Tanzânia
é pura poesia em imagens

Mapas De Espelho ( Imagem Suzzan Blac) disse...

A minha "teoria" é que hoje só encontramos poesia nos documentários. Quem anda por aí a editar ( à excepção do António Franco Alexandre e mais uns 3 ou 4) andam a fazer outra coisa qualquer que não poesia. Esses escritos, muitas vezes, não passam de uma composição mais ou menos "jeitosa" de palavras de dicionário ...
...........
Aconteceu-me o mesmo depois de ver o "Os respigadores e a respigadora" da Agnes Varda. Nunca mais deitei um bajo de arroz ou outra coisa para o lixo.
Vale.

L.C. & H. F. disse...

gostei de passar por aqui.
Deixo uma frase de René Char. Para mim um dos poucos verdadeiros poetas, a seguir a Hölderlin, Trakl e Rimbaud.


"La réalité sans l’énergie disloquante de la poésie, qu’est ce?"

René Char

L.C.